segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Inteira em minha mente

Mote dos Nonatos sugerido pela Lara Moura:

DE QUE VALE RASGAR O SEU RETRATO
SE VOCÊ TÁ INTEIRA EM MINHA MENTE.



Passa o tempo, pulsando inevitável
E passando atropela o tal depois
Onde estava o sonho de nós dois
Esperando um cenário mais estável
Eu já sei que voltar não é viável
Que você não me vê no seu “a gente”
Mas meu cerne é tinhoso e displicente
E hoje mesmo sonhou-te em novo ato
DE QUE VALE RASGAR O SEU RETRATO
SE VOCÊ TÁ INTEIRA EM MINHA MENTE.

Quando chove, eu de noite em minha alcova
Sobre a cama o sono não me chega
Pois lembrando de tu, minha burrega,
Um cansaço não tem que me envolva
Não que a chuva te lembre, pois que chova,
É que o frio que ela trás, de envolvente,
Faz lembrar-me teu corpo tão ardente
Envolvendo meu corpo estupefato
DE QUE VALE RASGAR O SEU RETRATO
SE VOCÊ TÁ INTEIRA EM MINHA MENTE.

De que vale não ter mais a lembrança
De uma foto contendo o rosto teu
Se de noite no mundo de Morfeu
Tua face ainda me alcança
De que vale espancar a esperança
Se ela só vai morrer depois da gente
De que vale fingir estar contente
Se a tristeza perene em mim é fato
DE QUE VALE RASGAR O SEU RETRATO
SE VOCÊ TÁ INTEIRA EM MINHA MENTE.

Timbaúba, 24/01/2011.

Um comentário:

Neto Apolinario disse...

Homi ...
Um ano homi .. UM ANO homi !!!
Rasga da menti também!

Se for pra sofrer desse jeito eu prefiro meu primo sem versos pra poetar!!!