sexta-feira, 21 de março de 2008

Ode a meu Avô

O mundo é uma bodega pequena e sortida,
mais dias ou menos dias a gente se encontra..


E se talvez um dia, passando
pelas prateleiras do amor
Eu encontrar metade da mulher
que meu avô encontrou

Que me dê carinho
e muitas provas de amor
Não se esquecendo de ter um mói de filhos
E que sejam tudo douto

Aí sim no final da vida
Eu deixo esse mundo de cabeça erguida
Pois eu fui metade do que foi meu avô!


(Jessé Costa)

3 comentários:

Polly disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tálita disse...

ops..

logado com os trecos da minha irma..

ps.: Tálita postando!

Tálita disse...

apaga isso.. to ficando louca e nao sei mecher nesse treco

gostei das poesias.. cordeis ou qlr outro nome que se de pra coisas sem metrica e com rima!

falta postar algo sobre engenharia