sábado, 25 de outubro de 2008

Jeito, Força e Potência

Beleza pura, da fina
Formato de luxo só
Sonata tocada em dó
Tibúm no vão, mar-menina
Caju numa silibrina
Daquelas bem aguardente
Que quando descem na gente
Se avermelha o olhar
E põe o cabra a pensar
De uma forma indecente

Um pensamento matreiro
Por trás d’um pé de Juá
Só vendo o céu desabar
A léguas desse terreiro
Pro anoitado certeiro
E minha malevolência
Findar sua resistência
Em um painel cabuloso
Pintado de gozo em gozo
Com jeito, força e potência

(Jessé Costa)

3 comentários:

Roserlei disse...

Minino Jesse...estou aqui meditando no seu poema ....LINDO!!!!!

JEITO....MUITO CARINHO.

FORÇA...DOMÍNIO.

POTÊNCIA...EXAUSTÃO.

...e VIVA a POESIA e os POETAS que nos permitem mesmo questionando o MUNDO...sonhar...
Abraço,
Roserlei

welma disse...

desse eu gostei!!!
rss...

xeru

Tiago disse...

ficou arretado

\o/