quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Anelar do Tempo



O nosso tempo é medido
No pulsar do coração;
Às vezes passa corrido
E às vezes não passa, não!

Por estar longe de ti
O meu peito mal badala
E o relógio vai, não vai...
O dia dobra de escala

Quanto maior a distância
Que estás da minha mão,
Maior é a impedância,
Maior a dilatação!

Agora, se acaso estás
Dentre a cerca dos meus braços
O tempo se alvoroça
O sol apressa seus passos

Pois contigo ao meu lado
Sofro d’uma arritmia
Que só de piscar os olhos
Vôte! Já se foi um dia...

Autor: Jessé Costa.
João Pessoa, 01/01/2009

2 comentários:

Carolina disse...

ai ai Jessezinho!!!
adorei demais por inúmeros motivos!!!
Mesmo sendo uma crítica sem parâmetros ... você se supera a cada nova criação!
=*
adoro!

Roserlei disse...

Olá minino poeta...Jesse..
cada uma melhor que a outra....essa é de lascar...abração
Sucesso.
Roserlei