segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Meu rio chorou esgoto!



Com sua água afiada
Pelas pedras de amolar,
Desces terroso, a cortar
A cidade enviesada;
E lá herdeiros do nada
Com suas redes de arrasto
Acham apenas um vasto
Rastro de poluição;
Tendo, no rio, a visão
De um destino nefasto.

Jazes tristonho e calado;
Sem atenção despertar,
Sem ter ninguém pra chorar,
Sem ter um advogado;
E assim foste condenado
A carregar a nojeira
De uma gente ribeira,
Um povo vil que te afoga;
Pede fartura, mas joga
Míngua pela tua beira!

Onde morreu tua vida?
Onde enterraram teus peixes?
Hoje só restam os feixes
De água “esgotenecida”;
E a criança sofrida
Dentre os entulhos se banha
Na correnteza castanha
Por onde escoa teu fim...
Capibaribe-mirim,
Em teu perder ninguém ganha!

Autor: Jessé Costa.
João Pessoa, 19/01/2009

Um comentário:

Carolina disse...

own Jessezinho!!!! adoreiii, e o assunto então!!!!
=*