segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Lua Minguada

A lua ficou opaca.

Ela não mais quer brilhar

e o breu que tomou o ar,

durante a noite me ataca.
Sem luz não vejo a estaca

no final da minha estrada

e assim rumar para o nada

tornar-se-á minha sina,
procurando em cada esquina
por outra musa aluada!


Sem lua a noite é a morte

na foice da solidão,

sem lua as marés não são

mais que uma onda mais forte!

Pra mim a lua era o norte,

na bússola do viver,

que vai seguir sem pra quê

até que surja outra lua

que o breu da noite destrua

e faça a vida valer!


João Pessoa, 16/11/2009

2 comentários:

Sania disse...

muito massa!adorei
vc é realmente um poeta malandro!!

larissa disse...

:O
eita... gostei, gostei!!!