sábado, 26 de fevereiro de 2011

Alegria no palco da loucura



Sou palhaço do circo de um real
Onde a graça sai quase que de graça
Mas o riso sincero se transpassa
Da piada, pilhéria, do irreal.
Se a platéia me aplaude é um sinal
De que meu existir ainda importa
Na pobreza do circo me conforta
Os sorrisos terceiros, pais dos meus,
Honorários presentes, dons de Deus
Que a dureza dos dias, rindo, entorta!

Não qu’eu seja um eterno venturoso
Pois no rosto onde a boca o riso aflora
A menina dos olhos sofre e chora
Nos momentos do ardor mais tortuoso
Mas, amigos, sorrir é tão gostoso
E o sorriso a tantas dores cura
Que eu prefiro viver nesta ventura
De sorrir na pobreza e fazer rir...
Sou palhaço e o que eu faço é impelir
Alegria no palco da loucura!

Timbaúba, 22/02/2011.

Um comentário:

Roserlei disse...

Minino poeta Jessé...a VIDA é Mágica....
Ah, o mundo sempre foi
Um circo sem igual
Onde todos representam
Bem ou mal
Onde a farsa de um palhaço
É natural...

Ah, no palco da ilusão
Pintei meu coração
Entreguei, entreguei amor
E sonhos sem saber
Que o palhaço
Pinta o rosto pra viver...
Abraço