quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Todo dia muda a cor do quadro da minha vida

Mote de Geraldo de Odilon, sugerido pela poetisa Ágda Moura:

Todo dia muda a cor
Do quadro da minha vida



Eu nasci roxo e chorando
Mas crescendo fui criança
Sendo o verde da esperança
Do futuro melhorando
Adulto, fui me encantando
Na paixão enrubescida
Mas minha cor preferida
É o azul de um grande amor
Todo dia muda a cor
Do quadro da minha vida

Pra ser feliz dá trabalho
Mas pra sofrer é um pulo
Num dia me acordo chulo
No outro em risos me espalho
Qualquer padrão sempre é falho
E a previsão é perdida
Ontem fui dor, fui ferida
Hoje sou graça e torpor
Todo dia muda a cor
Do quadro da minha vida

Já fui feio, fui vistoso
Já fui magro, fui obeso
Já fui livre, já fui preso
Já fui bravo, fui medroso
Já fui sábio, fui teimoso
Já fui paixão iludida
E enquanto me houver partida
Eu serei seja o que for
Todo dia muda a cor
Do quadro da minha vida

Timbaúba, 17/02/2011.

2 comentários:

Marcell disse...

Faz um verso com o tema ESPERANÇA, poeta. Agora um grande. hehehe

Espia só disse...

Seus feitos poéticos encantam Todos os viventes, não tem como ser mais fã que eu.