domingo, 23 de novembro de 2008

Alegoria



Olha só, mas quem diria
Que ela então seria um dia
O tempero d'alegria
Num sarapatel de amor
Dando gosto a minha vida
Que passou a ser servida
Das vezes semi-nutrida
Pr’um deleite de sabor!

Um produto nacional
De beleza incidental
Um pecado capital
Dito num confessionário
Ela é fruto proibido
No éden bem escondido
Pra que não seja comido
Por um qualquer legionário

E depois de procurar
Por terra, por céu e mar
Eis que venho a encontrar
Caminhando a meu lado
Olha só, mas quem diria
Que ela então seria um dia
Rainha na fantasia
Do meu reino encantado

João Pessoa, 23/11/2008.

4 comentários:

Tiago Porto disse...

essa ficou "du carai"

welma disse...

tu tah falando d q exatamente? [...]
voei em umas partes ai..=S
=(

=***

welma disse...

ouxe vi agora.. comentei n o errado.
=S
aff
perdoe minha falha!

Roserlei disse...

Boa Noite ..poeta-minino Jesse

Alegoria está presente no cotidiano é um alimento dos sonhos...,para os poetas a fuga viva da realidade, ou a estampa clara de um momento a eternizar.

Atente e atenda a ela.
Abraço,
Roserlei