domingo, 1 de agosto de 2010

Só de ruim...



Ele está curtindo a noite
Com seu ego cabuloso
Mas de repente um acoite
Um abalo poderoso
Treme até o seu espanto
Na beleza, no encanto
Que contém a senhorita
Que se chega assim chegando
Nem sequer lhe reparando,
O quê lhe gama e lhe irrita!

Ela se chega raiando
Um holofote de graça
Com seu sorriso tomando
O foco por onde passa
Ela pode conquistar
O que mais lhe agradar
No estabelecimento
Porém fica encantada
Com aquele camarada
Que não lhe dá cabimento

E agora, vocês vejam
Onde isso vai parar,
Dois bicudos não se beijam
Por mais que queiram beijar
Então a coisa complica
Cada ego se embica
E a peitica toma forma
Pois os dois se desejando
Na festa vão pleiteando
Sem palanque ou plataforma!

Só de ruim ele nem olha,
Só de ruim ela também,
Só de ruim ele se amostra,
Só de ruim ela nem - nem...
Só de ruim ele sorri,
Só de ruim ela só ri
Da graça de outro afim;
Só de ruim a noite finda
E ela lhe acena, linda,
Indo embora só de ruim!

João Pessoa, 01/08/2010.

2 comentários:

Luciano Pedrosa disse...

arretado d+++ poeta... êita q tu enxerga poesia em tudo msm!!!

abraço

inté

FARMACÊUTICO - POETA disse...

MALASSOMBRADO DO PIPOCO DO TROVÃO!!!!