segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Pra quando for trocado



Arrazoar quem perdeu
Não é a forma correta
Tem mulher que não nasceu
Pra ser musa de poeta
E consegue de verdade
Encontrar felicidade
Com um riquinho pateta!

Por isso, pra que ter meta?
Ninguém ganhou ou perdeu
Nós ficamos no empate
Tu com o teu Zebedeu
Com o seu carrão bolado
E eu desacompanhado
Só eu e meu pobre eu!

Pobre porque concebeu
Uma musa tão pequena
E que displicentemente
Deixou-te estrelar a cena
Pobre por ter apostado
Numa jogada de dado
Que você valia a pena!

Mas antes duma quinzena
Posso te assegurar
Eu terei uma centena
De musas pra seu lugar
E você, meu Deus do céu,
Não terá mais meu corcel
Pra de noite passear!

E se aí você ficar
Triste com seu namorado
Mesmo que dando voltinha
Num Lamborghini importado
É tarde, minha querida,
E nunca mais nessa vida
Você me terá ao lado!

João Pessoa, 15/11/2010.

Um comentário:

Roserlei disse...

Mínino Poeta ...Grande Jessé!
..li não sei onde:-"o coração desiste quando o sentido da vida parece terminar."
...seus poemas trazem uma incrível ternura,ânimo e sonhos..Veja:-" eu só quero fazer você feliz."e enveredamos a busca dessa felicidade.
..a Musa do Poeta, decidida na jogada de dado...não pode deixar :-" só eu e meu pobre eu!" Valorize seu CORCEL.
Mínino Jessé:-
"Olhe para dentro de você.
Observe o seu reflexo no espelho.
E a imagem criada será,Só Sempre..um doce presságio do AMOR."
Abraço